Search

Language

Language

           
Processo de Angariação de Fundos

obtenção de financiamento

Processo de Angariação de Fundos

Os empreendedores devem trabalhar uma ideia/ projeto, e delinear o modelo de negócio.

O investimento de Angels requer um processo padrão que vise a compreensão do projeto de uma forma clara e, também, que reduza o risco para ambos os investidores e fundadores da empresa.

 

O que é Angel investment?

Angel investment consiste em capitais próprios pertencentes a investidores – que se caracterizam por deter elevados valores líquidos em capital – que providenciam estes mesmos em troca de ações da empresa. Este tipo de investimento traz diversas vantagens, entre as quais, os conhecimentos e a experiência do investidor para as novas empresas, a fim de ajudar a nova equipa a crescer a um ritmo favorável e estável.

O valor de investimento encontra-se normalmente entre os 25 000€ e 500 000€, o qual os investidores estimam receber em retorno num período de cerca de 5 anos.

 

Como funciona o mercado?

Angel investment é um tipo de financiamento que se encontra a um elevado ritmo de crescimento, em Portugal, no que toca a investimento em novas start-ups ainda nos níveis de pre-seed e seed.

Para ter a certeza de que tudo se encontra sob normas, para que ambos os investidores e empreendedores estejam protegidos, é aconselhado que os empreendedores negociem com investidores envolvidos numa rede de Business Angels credível.

 

Onde encontrar Business Angels?

Este tipo de investidores pode ser encontrado através da rede profissional ou pessoal dos empreendedores ou, através de associações nacionais como a APBA, na qual os projetos selecionados têm a hipótese de apresentar aos investidores o projeto de uma forma sucinta.

 

O que procurar num Business Angel?

Um Angel é um individuo que providencia, não só capital aos empreendedores, mas também alguém que colabora no negócio com uma abordagem mais intelectual. Este tipo de investidores providencia dicas e conhecimentos importantes relativos ao mercado em que a empresa se insere, e outros temas fundamentais ao desenvolvimento da empresa.

Concluindo, um Angel deve ser alguém com experiência numa indústria semelhante à que se insere o projeto.


 

O Processo

A fim de construir um projeto consistente que se destaque aos olhos de um investidor, é fundamental um processo rigoroso e exigente. Seguir este processo é um grande passo para aumentar a probabilidade de ser financiado por um Business Angel.

 

1. Plano de Negócio

O plano de negócio é um documento escrito que descreve em detalhe como o projeto será desenvolvido de forma a atingir os objetivos estabelecidos. O plano de negócio visa informar os investidores: sobre os empreendedores por detrás do projeto, os possíveis benefícios financeiros que o negócio pode trazer, os riscos associados e como tudo isto se adequa aos critérios de seleção do investidor.

 

2. Pitch

O Pitch consiste numa curta apresentação do projeto. Tem normalmente a duração de um minuto e tem como objectivo chamar a atenção dos investidores.

 

3. Diligência Prévia

A diligência prévia é fundamental para que os investidores saibam os aspectos chave do projeto e da proposta de financiamento, antes da oficialização da transação acontecer. Neste passo, os investidores concentram-se principalmente nas áreas de gestão, finanças, questões legais e de comercialização. Desta forma, os empreendedores devem prever algumas perguntas relativas a estes temas e preparar as respectivas respostas, para que estas surjam sem qualquer hesitação.

 

4. Documentação Necessária

O financiamento do projeto requer alguns processos legais que devem ser analisados por um advogado a fim de proteger os interesses de ambos, o investidor e o empreendedor.

 

5. Construindo o Processo de Financiamento

Todo o processo de financiamento tem como objectivo adquirir capitais próprios. Para que isto se suceda, os empreendedores necessitam de uma gestão do processo de investimento e de todas as fontes que propõem o investimento de capital. O capital virá maioritariamente de investidores individuais, co-investimentos e plataformas de crowd funding.

 

6. Trabalhar com um Angel

Para que uma empresa cresça o esperado, uma relação saudável entre o investidor e o empreendedor é fundamental. É necessário, desde o início, estabelecer o papel de cada indivíduo na empresa. É importante estar informado sobre que tipo de envolvimento terá o investidor no desenvolvimento da estratégia da empresa, nas decisões finais, no teste de produtos, etc. Com uma clara definição de papéis na empresa, conflitos serão evitados e mais rentabilização do tempo será feita.

 

7. Estratégia de saída

Parte da decisão de investir numa empresa está na proposta de possível saída do projeto. Criar uma estratégia de saída oferece ao investidor algum conforto e visão a nível individual, a longo prazo.

 

Para conduzir uma saída com sucesso aconselha-se a análise das tendências do mercado na respectiva época, adaptando à empresa, em específico.

 

Existem cinco principais estratégias de saída:

 

Trade sale – É a estratégia mais usada. Consiste na venda de todas as ações do investidor a um terceiro que tenha interesse no projeto. Pode-se levar algum tempo a identificar o comprador correto uma vez que este deve concordar e estar em linha com a identidade, já estabelecida, da empresa.

MBO – Esta estratégia, apesar de não muitas vezes utilizada, é possível. A estratégia acontece quando o empreendedor compra as ações do investidor de volta, detendo assim todo o capital da empresa.

Compra de ações – Esta estratégia permite a saída parcial, ou total, da empresa, por parte do investidor. Nesta estratégia de saída, capitais de risco, e outras empresas de investimento compram as ações do Angel investor.

Mercado secundário – Neste caso, o investidor troca as suas ações por capital líquido.

IPO – Nesta estratégia de saída, o empreendedor decide entrar no mercado público, aumentando os níveis de risco. Esta estratégia possibilita a entrada de capital líquido com a entrada de novos investidores.